Passos para Cristo – Lição 2 – A necessidade do pecador de Cristo

Passos para Cristo – Lição 2 – A necessidade do pecador de Cristo

 
 

Texto base: “Livro Passos para Cristo”, Capítulo 2 – Ellen G. White.

 
 

Verso Áureo: “Eu sou a videira, vós, as varas; quem está em Mim, e Eu nele, este dá muito fruto, porque sem Mim nada podereis fazer” João 15:5.

 
 

Domingo

 
 

1) Como era o homem, quando foi criado? Gen. 1:31

 
 

R.: “E viu Deus tudo quanto tinha feito, e eis que era muito bom“.

 
 

2) Quem trabalhou especialmente para levar o homem a desobedecer a Deus e cair na desgraça do pecado? II Cor. 11:3; Ap. 12:9.

 
 

R.: “a serpente enganou Eva”. “E foi precipitado o grande dragão, a antiga serpente, chamada o diabo e Satanás”.

 
 

O homem foi originalmente dotado de nobres faculdades e um intelecto equilibrado. Era perfeito em sua natureza, e estava em harmonia com Deus. Seus pensamentos eram puros, santas suas aspirações. Mas através da desobediência, suas faculdades foram pervertidas, e o egoísmo tomou o lugar do amor. Sua natureza se tornou tão enfraquecida pela transgressão que era impossível para ele, em sua própria força, resistir ao poder do mal. Ele foi feito cativo por Satanás, e haveria permanecido assim para sempre não tivesse Deus especialmente se interposto. Era o propósito do tentador frustrar o plano divino na criação do homem, e encher a terra com maldição e desolação. E ele iria apontar para todo este mal como sendo o resultado do trabalho de Deus na criação do homem.

 
 

Segunda-feira

 
 

1) Como o homem pecador se coloca em relação a Deus? Rom. 8:7

 
 

R.: “Porquanto a inclinação da carne é inimizade contra Deus, pois não é sujeita à lei de Deus”.

 
 

2) É o homem pecador quem se esconde de Deus, ou Deus quem se esconde do homem? Gn. 3:9, 10.

 
 

R.: “E chamou o SENHOR Deus a Adão e disse-lhe: Onde estás? E ele disse: Ouviu a Tua voz soar no jardim, e temi, porque estava nu, e escondi-me”.

 
 

Em seu estado sem pecado, o homem manteve alegre comunhão com Aquele “em quem todos os tesouros da sabedoria e do conhecimento estão ocultos” (Col. 2:3). Mas após seu pecado, ele não mais encontrava alegria na santidade, e procurou esconder-se da presença de Deus. Esta é ainda a condição do coração não convertido. Não está em harmonia com Deus, e não encontra alegria na comunhão com Ele. O pecador não poderia sentir-se feliz na presença de Deus; ele iria se esquivar da companhia dos seres santos. Se pudesse ser lhe permitida a entrada no céu, isto não lhe traria alegria. O espírito de abnegado amor que lá reina – cada coração correspondendo ao coração do Infinito Amor – não encontraria uma corda ressonante em sua alma. Seus pensamentos, seus interesses, seus motivos estariam alienados daqueles que atuam nos seus habitantes sem pecado. Ele seria uma nota discordante na melodia do céu. O céu seria para ele um lugar de tortura; ele desejaria muito ser escondido dAquele que é a sua luz; e o centro da sua alegria. Não é um decreto arbitrário da parte de Deus que exclui o pecador do céu: eles são excluídos pela sua própria inaptidão para ele. A glória de Deus seria para eles um fogo consumidor. Eles iriam aceitar de bom grado a destruição, para que pudessem ser escondidos da face dAquele que morreu para redimi-los.

 
 

Terça-feira

 
 

1) Quem salva o homem do pecado? Mat. 1:21; At 4:12.

 
 

R.: “E ela dará à luz um Filho, e Lhe porás o nome de JESUS, porque Ele salvará o Seu povo dos Seus pecados”. “E em nenhum outro há salvação, porque também debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual devamos ser salvos”.

 
 

É impossível para nós, por nós mesmos, escapar do poço de pecado no qual estamos afundados. Nossos corações são maus, e nós não podemos mudá-los. “Quem da imundícia poderá tirar coisa pura? Ninguém.” “A mente carnal está em inimizade contra Deus, pois não está sujeito à lei de Deus, nem mesmo pode estar” (Jó 14:4; Rom. 8:7).

 
 

2) Pode o pecador, sem a ajuda de Cristo, praticar o bem? Jer. 13:23.

 
 

R.: “Pode o etíope mudar a sua pele ou o leopardo as suas manchas? Nesse caso também vós podereis fazer o bem, sendo ensinados a fazer o mal”.

 
 

Educação, cultura, o exercício da vontade, o esforço humano, todos têm sua própria esfera, mas aqui são ineficazes. Eles podem produzir uma mudança no comportamento externo, mas não podem mudar o coração; não podem purificar as fontes da vida. É necessário haver um poder operando a partir de dentro, uma nova vida proveniente do alto, antes dos homens poderem ser transformados do pecado para a santidade. Este poder é Cristo. Somente Sua graça pode reavivar as faculdades mortas da alma, e atraí-la para Deus, para a santidade. O Salvador disse, “se alguém não nascer de novo,” a menos que ele receba um novo coração, novos desejos, propósitos, e motivos, conduzindo a uma nova vida, “não pode ver o reino de Deus.” (Jo. 3:3). A idéia de que é necessário apenas desenvolver o bem que existe no homem por natureza, é um engano fatal. “O homem natural não aceita as coisas do Espírito de Deus, porque lhe são loucura; e não pode entendê-las, porque elas se discernem espiritualmente.” “Não te admires de Eu te dizer: importa-vos nascer de novo” (I Cor. 2:14; Jo. 3:7). De Cristo, está escrito, “a vida estava nEle; e a vida era a luz dos homens,” o único “nome debaixo dos céus, dado entre os homens, pelo qual seremos salvos” (Jo. 1:4; At. 4:12).

 
 

Quarta-feira

 
 

1) Quem é o único capaz de nos livrar da escravidão do pecado? Luc. 4:14, 16-19.

 
 

R.: “voltou Jesus para a Galiléia… E, chegando a Nazaré, onde fora criado, entrou num dia de Sábado, segundo o Seu costume, na sinagoga e levantou-Se para ler. E foi-lhe dado o livro do profeta Isaías; e, quando abriu o livro, achou o lugar em que estava escrito:

O Espírito do Senhor é sobre Mim, pois que Me ungiu para evangelizar os pobres, enviou-Me a curar os quebrantados do coração, a apregoar liberdade aos cativos, a dar vista aos cegos, a pôr em liberdade os oprimidos.”

 
 

Não é suficiente perceber o bondoso amor de Deus, ver Sua benevolência a paternal ternura do Seu caráter. Não é suficiente discernir a sabedoria e justiça de Sua lei, e ver que ela é fundada sobre o eterno princípio do amor. O apóstolo Paulo viu tudo isto quando exclamou, “consinto com a lei, que é boa”. “A lei é santa; e o mandamento santo, justo e bom.” Mas ele adicionou na amargura e desespero de sua angustiada alma, “eu, todavia, sou carnal, vendido à escravidão do pecado” (Rom. 7:16, 12, 14). Ele esperava pela pureza, a justiça a qual ele em si mesmo era incapaz de atingir, e ele clamou, “Desventurado homem que sou! Quem me livrará do corpo desta morte?” (Rom. 7:24). Tal é o clamor que tem brotado de corações sobrecarregados em todas as terras e em todas as épocas. Para todos, existe apenas uma resposta, “Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo!” (Jo. 1:29).

 
 

2) Por meio de Deus quem nos reconciliou com Ele? II Cor. 5:18.

 
 

R.: “E tudo isso provém de Deus, que nos reconciliou conSigo mesmo por Jesus Cristo”.

 
 

Muitas são as figuras pelas quais o Espírito de Deus tem procurado ilustrar esta verdade, e torná-la clara para almas que esperam para ser libertas do fardo da culpa. Quando, depois de seu pecado de enganar a Esaú, Jacó fugiu da casa de seu pai, estava curvado com o senso de culpa. Sozinho e lançado fora como ele estava, separado de tudo o que fizera querida sua vida, o pensamento que sobre todos os outros oprimia sua alma era o temor de que seu pecado o houvera separado da presença de Deus, que ele fora abandonado pelo Céu. Em tristeza deitou ele na terra nua, tendo a sua volta apenas montanhas solitárias, e acima os céus iluminados pelas estrelas. Assim que ele adormeceu, uma estranha luz rompeu sobre sua visão; e então, partindo do plano onde ele se deitava, degraus sombrios e vastos pareciam conduzir acima para as próprias portas do céu, e sobre eles anjos de Deus estavam passando para cima e para baixo; enquanto da glória vinda do alto, foi ouvida a divina voz em uma mensagem de conforto e esperança. Isto foi feito conhecido a Jacó aquilo que satisfazia as necessidades e anseios da sua alma – um Salvador. Com alegria e gratidão ele viu revelado o caminho pelo qual ele, um pecador, poderia ser restaurado à comunhão com Deus. A escada mística do seu sonho representava Jesus, o único meio de comunicação entre Deus e o homem.

Quinta-feira

 
 

“Partiu, pois, Jacó de Berseba, e foi-se a Harã. E chegou a um lugar onde passou a noite, porque já o sol era posto; e tomou uma das pedras daquele lugar, e a pôs por sua cabeceira, e deitou-se naquele lugar. E sonhou: e eis era posta na terra uma escada cujo topo tocava os céus; e eis que os anjos de Deus subiam e desciam por ela.” Gên. 28:10-12.

 
 

Esta é a mesma figura a qual Cristo se referiu em Sua conversação com Natanael, quando Ele disse, “vereis o céu aberto e os anjos de Deus subindo e descendo sobre o Filho do Homem” (Jo. 1:51). Na apostasia, o homem aliena a si mesmo de Deus; a terra foi separada do céu. Através do abismo existente entre eles, não poderia haver comunhão. Mas através de Cristo, a terra é novamente conectada com o céu. Com Seus próprios méritos, Cristo construiu uma ponte sobre o abismo que o pecado houvera criado, permitindo então que os anjos ministradores pudessem manter comunhão com o homem. Cristo conecta o homem caído, em sua fraqueza e desesperança, com a Fonte de infinito poder.

 
 

Mas em vão são os sonhos de progresso do homem, em vão todos os esforços para o erguimento da humanidade, se eles deixam de lado a única fonte de esperança e auxílio para a raça caída. “Toda boa dádiva e todo dom perfeito” (Tia. 1:17) vêm de Deus. Não existe excelência de caráter Além dEle.

 
 

1) Em que Pessoa é exercido o poder de Deus para vencermos o pecado? I Cor. 1:24.

 
 

R.: “para os que são chamados, tanto judeus como gregos, lhes pregamos a Cristo, poder de Deus”.

 
 

E o único caminho para Deus é Cristo. Ele diz, “Eu sou o Caminho, a Verdade, e a Vida: ninguém vem ao Pai, senão por Mim” (Jo. 14:6).

 
 

Sexta-feira

 
 

“Com amor eterno te amei, também com amável benignidade te atraí” Jer. 31:3.

 
 

O coração de Deus anseia por Seus filhos terrestres com um amor mais forte que a morte. Dando Seu Filho, Ele derramou para nós todo o céu em um dom. A vida, morte e intercessão do Salvador, a ministração dos anjos, os rogos do Espírito, o trabalho do Pai sobre e através de todos, o incessante interesse dos seres celestiais, – tudo está alistado em favor da redenção do homem.

 
 

1) Como responderemos ao amor de Deus, demonstrado por nós em Cristo? II Cor. 5:14, 15, 17.

 
 

R.: “o amor de Cristo nos constrange, julgando nós assim: que, se Um morreu por todos, logo, todos morreram. E Ele morreu por todos, para que os que vivem não vivam mais para si, mas para Aquele que por eles morreu e ressuscitou… Assim que, se alguém está em Cristo, nova criatura é: as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo”.

 
 

Oh, permitamo-nos contemplar o espantoso sacrifício que tem sido feito por nós! Permitamo-nos experimentar apreciar o labor e a energia que o Céu está despendendo para recuperar o perdido, e trazê-lo novamente à casa do Pai. Jamais poderiam ser postos em operação motivos mais fortes e agentes mais poderosos; as excelentes recompensas do agir corretamente, a alegria do céu, a sociedade dos anjos, a comunhão e amor do Pai e Seu Filho, a elevação e extensão de todas nossas faculdades através das eras eternas – não são estes poderosos incentivos e encorajamentos para nos mover a dar o serviço de um coração repleto de amor para nosso Criador e Redentor?

 
 

E, por outro lado, os juízos de Deus pronunciados contra o pecado, a inevitável retribuição, a degradação de nosso caráter, e a destruição final, são apresentados na Palavra de Deus para nos advertir contra o serviço de Satanás.

 
 

Sábado

 
 

“Veio, porém, a lei para que a ofensa abundasse; mas, onde o pecado abundou, superabundou a graça; para que, assim como o pecado reinou na morte, também a graça reinasse pela justiça para a vida eterna, por Jesus Cristo, nosso Senhor” Rom. 5:20, 21.

 
 

Não iremos nós considerar a misericórdia de Deus? O que mais poderia ter Ele feito? Coloquemo-nos a nós mesmos em uma correta relação para com Aquele que tem nos amado com espantoso amor. Façamos nós mesmos uso dos meios providos para nós para que possamos ser transformados à Sua semelhança, e ser restaurados para a comunhão com os anjos ministradores, para a harmonia e comunhão com o Pai e o Filho.

 
 

1) O que Deus deseja que façamos com os meios que Ele proveu para nossa salvação? Ap. 22:17.

 
 

R.: “quem quiser tome de graça da água da vida”.

 
 

2) Segundo a Bíblia, como Deus espera que cooperemos com Ele para nossa salvação? Fip. 2:12, 13.

 
 

R.: “operai a vossa salvação com temor e tremor; porque Deus é o que opera em vós tanto o querer como o efetuar, segundo a Sua boa vontade”.

 

 

 

Acesse a lição completa: http://bit.ly/escola-sabatina-passos-para-cristo